Não interessa aos libertários saber quantos são, pois nas suas hostes não se recrutam agentes do poder e muito menos se atribuem números aos militantes. (carlos fonseca)

"Sou um bug ou dois na minha vida". (lena berardo)

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Até quando cada um de nós se continua a julgar Deus, se ele nem sequer existe?



Como sou uma pessoa desinteressante e não me lembro de mais nada para fazer além das 2657 coisas que tenho em atraso, vou escrever sobre outro email que recebi, porque já é a segunda vez que o recebo nos últimos dois dias e já não consigo pensar noutra coisa.
O email versa a história de que os habitantes da Costa Rica andam a apanhar ovos de tartaruga para vender. Vejam lá!!!....
Consegue-se imaginar o que vem escrito no email a acompanhar as imagens, que realmente não são muito dignas, mas...
Ainda houve alguém, que no segundo email que recebi, decidiu escrever algo sobre o assunto e que eu vou transcrever. Tenho pena de não saber quem escreveu isto, porque gostava muito de trocar algumas palavras com a(o) autor(a), para tentar perceber o que quis dizer.
Vou transcrever e já explico o que quero eu dizer...

"Bom eu sei que as pessoas precisam de alimentar as suas famílias. E nós não sabemos muitas vezes a realidade destes países, ou destas zonas em particular, mas não estaremos a pagar um preço excessivamente alto para salvaguardarmos a nossa subsistência? "

A minha questão é esta: para não matar as tartarugas, que põem ovos, que os humanos apanham e vendem para ter dinheiro para comer (sim, não deve ser para ir para as discotecas ou para ir ao cinema) devemos deixar as crianças e as mulheres e os homens passarem fome e morrerem eles?
Hmmm??????
E quem são aqueles "nós" todos que não entendi muito bem? Quem anda a pagar? A subsitência de quem? De "nós" que lemos e vimos as imagens?
Se não se sabe escrever no plural escreva-se no singular.
Depois ainda diz:

"Nós nem sabemos ao certo qual o alcance e consequências da depleção dos nossos recursos naturais.
Faz impressão saber que as tartarugas depois de viajarem milhares de quilómetros até às praias onde nasceram para se reproduzirem, depois desse esforço todo, os ovos são lhes roubados. É revoltante. Cerca de 100 ovos alimentam uma família pobre durante muito tempo, mas o resultado destas acções é a extinção quase total das gerações seguintes de tartarugas. E mais, a maturação das tartarugas (altura em que ficam aptas para a reprodução) é de cerca de 30 anos, ou seja só passados 30 anos é que se irá notar um declínio acentuado no número de tartarugas que nidificam numa determinada praia.
Eu até pensava que haviam pesadas multas e penas de prisão a quem roubava ovos de tartaruga nos países da América Central, mas pelos vistos, apesar dos governos prometerem protegê-las, a fiscalização não é eficaz.
Fui informar-me e a Costa Rica é um dos países que permite a recolha controlada dos ovos, que não é controlada coisíssima nenhuma. O Programa de Recuperação de Tartarugas Marinhas da Costa Rica estima que se continuar este ritmo de extermínio, em mais 10 anos as tartarugas podem desaparecer das praias Costa Riquenhas.
É preciso que o governo reeduque os pescadores e outros habitantes da Costa Rica que cometem este tipo de barbáries e arranje programas para redireccioná-los para a agricultura, para a pecuária, ou para o turismo, ou para outro tipo de trabalho qualquer.
Divulguem
Abraços
"

E não digo mais nada, porque se esta pessoa acha que, por encher a caixa de correio das outras pessoas com esta sua mensagem, vai resolver o problema, então já está o problema resolvido.

Divulguem
Abraços

Post Scriptum: E não se pense que tive algum prazer em ver as imagens e em escrever isto, ok?

12 comentários:

Fragoso disse...

Não digo que a pessoa não tenha razão, também fico com pena das tartarugas, mas ele(a) devia de perguntar porque é que afinal essas pessoas são obrigadas a viver de ovos de tartaruga... de certeza se essas pessoas tivessem hipótese de comer um belo bacalhau assado no forno com batatas não iam "à cata" de ovos nenhuns :/
falar é fácil...

joaninha versus escaravelho disse...

Estás a dizer o que eu queria dizer. Usaste menos frases e menos palavras e menos tempo...
Quando começo a escrever, perco-me sempre... :/
Só não dava o exemplo do bacalhau porque não gosto nada de bacalhau, mas um sei lá, qualquer coisa que não dê muito trabalho a mastigar porque eu, siceramente nem gosto muito de comer... :/
Pode ser puré! :)

joaninha versus escaravelho disse...

Ah! Também apreciei a expressão "a pessoa". :D

cão sem raiva disse...

Não sei o que devo pensar da vossa posição... Defensores das classes pobres? Defensores dos coitadinhos?... A mim não me parece que aquela gente ali das fotos passe fome. Não será antes a ganância cega? Arranjar dinheiro com a venda dos ovos, que deveriam estar protegidos por lei? Não será o mesmo que se passa por cá, por exemplo na apanha de cogumelos silvestres, onde as pessoas com a sua ganância destróem e pôem em risco futuras colheitas? Não será o mesmo com a apanha das crias de lampreia dos nossos rios?...
O que vejo ali é pura ganância, e não um modo de subsistência.
Ainda bem que há pessoas que se preocupam com isso. Se assim não fosse, já não teríamos baleias nos oceanos. Um pouco de respeito e menos ganância.
:)

joaninha versus escaravelho disse...

Eu não pretendo defender nem acusar ninguém e as minhas ideias estão aqui bem expressas neste blog.
SO que defendo é que se se quer fazer alguma coisa por alguma causa que se ache pertinente, então que se faça, que se aja, que se vá ao terreno, ou na impossibilidade disso que se trate do assunto com as autoridades competentes. Agora mandar bitaites e opiniões e enviar emails e reencaminhá-los... Quais serão os resultados disso?
Não vou estar agora aqui neste espaço a explicar o que penso da sociedade mas garanto-lhe que não é com palavras que costumo agir. Ajo sempre com acções.
É disso que trata o post e é disso que o Fragoso fala também. Sei que posso falar por ele, porque sei que tem ao seu redor uma causa pela qual também está a lutar e já percebeu que só com palavras não se consegue nada.
Além do mais aquele email diz mesmo que "E nós não sabemos muitas vezes a realidade destes países, ou destas zonas em particular,...". Então porque não foi ao Google saber alguma coisa e assim defender o que diz?
Se o tivesse feito provavelmente eu ficaria sem argumentos para dizer os disparates que me apetece.
Ou então dizia-os na mesma... :D

joaninha versus escaravelho disse...

Ah, já agora, quem matou os dinossauros?

Shadow One disse...

As Andorinhas não estão em perigo e no entanto, ano após ano, destruimo-lhes os ninhos não por lucros fáceis, apenas porque sujam a varanda.

Se estivessem em vias de extinção? A atitude mudava? O tanas!!

Arrogantes, petulantes e frívolos é o que somos.

joaninha versus escaravelho disse...

E "mai" nada! :D

Anônimo disse...

Quem matou os dinossauros fui eu. Uma manhã acordei e disse "porra, estes gajos andam a lixar me o jardim". E pimba: dizimei-os! E não foi por ganância nem subsistência. É que cá eu sou muito ecologista e o meu jardim, que tem cogumelos alucinogénicos, é muito ecológico.
E ai das baleias que apareçam por lá (ainda existem baleias mesmo?).

joaninha versus escaravelho disse...

Anónimo(???): Ahahahah... não sei quem és mas tens toda a razão. :)
Quanto às baleias, essas foram umas espertalhonas. Esconderam-se no fundo dos oceanos e não morreram na altura em que massacraste os dinossauros. :P

Anônimo disse...

sou eu! O ar de moçambique

joaninha versus escaravelho disse...

:)
Estava a ver se te descaías. ahahahah