Não interessa aos libertários saber quantos são, pois nas suas hostes não se recrutam agentes do poder e muito menos se atribuem números aos militantes. (carlos fonseca)

"Sou um bug ou dois na minha vida". (lena berardo)

sábado, 14 de março de 2009

Encontros Imediatos - Part 6


Fui à feira do queijo. Havia lá muitos aliens.
Voltei para casa na esperança de ainda não encontrar nada esquisito.
Já passou uma semana e não tenho tido surpresas.
O pior é que o assunto não me sai da cabeça e nem aproveito o sol lá fora.
Tenho que sair. Vou ao rio, levo um livro e deito-me numa toalha a ler. Ouço a água, os pássaros, vejo as borboletas, dou uma volta e sempre posso ainda passar por casa do R. para dar dois dedos de conversa. Só dois porque depois os outros fazem-me falta para escrever aqui.
Por falar em escrever, ando contente com o que escrevo. Com o treino já utilizo dois dedos de cada mão e a velocidade com que escrevo até me causa vertigens.
Depois também acho que ando mais expressiva com o uso das palavras.
Passo a explicar: aquilo que escrevi agora sobre o sair para ir ao rio, foi tão sentido nas teclas que até me parece que já fui e já vim.
Se calhar já não vale a pena ir, senão parece que me estou a repetir e isso é coisa que não gosto.
Não gosto nada de me repetir.
Quando falo gosto de dizer as coisas só uma vez.
O meu pai dizia-me isto muitas vezes...
Nunca o entendi muito bem, porque eu ouvia-o. Se não estava de acordo... isso era outra história...
Mas quer parecer-me que o que ele queria era que eu ouvisse e não pensasse no assunto. Era mais do tipo: eu digo e tu fazes. Tipo a condizente que a minha filha tanto falava.
Pelos vistos fui a condizente do meu pai e da minha filha...
Ou talvez não... E depois... bem, depois isso também é outra história.
Voltando à feira do queijo e aos aliens apraz-me dizer que aquela cena até parecia uma feira medieval. Com pessoas a tocar e a fazer teatro e muitos traseuntes. Demais até para o espaço.
Parecia sardinha enlatada. Chega para lá. Empurra daqui. Estica dali... Ei! Estou aqui. Fui levada pela corrente.
O queijo também tinha preços do outro mundo. Das chouriças não vi.
Por falar em chouriço, o Chouriço há muito tempo que não posta posts (olha a expressão a que acho piada :) ).
Agora vou ler e enviar uns emails que tenho em falta, a uns amigos.
Isto da Internet é engraçado. :)

Post Scriptum: Desta vez não há mesmo nada a dizer. Estou com dores na ponta dos dedos de escrever. É que as teclas estão escorregadias. Deve ser da gordura do queijo...

Post Scriptum 2: Afinal quase que me esquecia de falar da foto deste post (ando a comer muito queijo). Como havia umas corujas, uns mochos, uns falcões e umas águias, coitadinhas, presas lá na feira vou colocar uma foto desses pássaros que até são bonitos. Da Internet, claro. A S. tirou umas fotografias mas eu continuo sem máquina.

2 comentários:

Paulo disse...

A presença excessiva das pessoas transforma qualquer feira medieval num infernozinho de Dante Alighieri, não é?

joaninha versus escaravelho disse...

A resposta a esta pergunta dá um post e peras! :) Mais que isso, parece o Circo Cardinalli com as feras à solta! :)