Não interessa aos libertários saber quantos são, pois nas suas hostes não se recrutam agentes do poder e muito menos se atribuem números aos militantes. (carlos fonseca)

"Sou um bug ou dois na minha vida". (lena berardo)

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Salto no espaço


Estava D. Inês bordando um tecido de brocado quando olhando para o seu relógio de pulso diz:
-Ai tão tarde e o Pedro sem vir.
Trálharálhe acontecido alguma coisa?
Diz a aia franzindo a testa:
-Se car...lho aconteceu...
Nisto diz o filho olhando pelas ameias do castelo:
- Oh mãe, oh mãe, oh mãe, oh mããããããeeeeee, lááááá vem o pai! (ler a cantar com a música da tourada, quando entra o touro em cena).

2 comentários:

Paulo disse...

Estou-te a dever uma gargalhada.

joaninha versus escaravelho disse...

Se eu te disser que estas linhas fazem parte duma peça de teatro, que o meu pai representou no seus tempos de juventude, no Sousa Bastos (sala de cinema que já não existe em Coimbra, famosíssimo , aliás, pelas performances que sempre por lá ocorreram).
Mas atenção, nunca ouvi o meu pai dizer uma asneira. Achava até ridícula a figura dele a inventar sons, para se exprimir nessas alturas.
Acho que estou a ficar saudosista... :)