Não interessa aos libertários saber quantos são, pois nas suas hostes não se recrutam agentes do poder e muito menos se atribuem números aos militantes. (carlos fonseca)

"Sou um bug ou dois na minha vida". (lena berardo)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Aventuras de um vagabundo - Part 1


A cadência era constante.
Como se fosse o barulho da chuva a cair.
Começou a sentir-se incomodado. Parecia que o frio se começava a instalar, a entranhar-se dentro da sua parca roupa.
O chão da rua reflectia as luzes das montras das lojas já fechadas. A cidade dormia e ele não o estava a conseguir.
Olhou para cima e caiu-lhe uma gota de água na testa. Mesmo ao meio dos olhos, de um castanho muito escuro, quase preto. Como a noite.
Só então se lembrou que dormia na rua.
Levantou-se.
Olhou em volta e dançou.
E a chuva não parou, como seria suposto num filme bonito.
Mas esta é uma história diferente.
Uma história de uma vida mais bonita que a dos filmes.
E estas histórias, apesar de bonitas, nem sempre têm um final feliz.

Moral da história: Quem anda à chuva molha-se!

2 comentários:

Jonas :D disse...

si no es un final feliz, no es un Final! ;-)

beijos felices

joaninha versus escaravelho disse...

Posso continuar... Afinal chamei-lhe Part 1. :)
Beijos esperançosos