Não interessa aos libertários saber quantos são, pois nas suas hostes não se recrutam agentes do poder e muito menos se atribuem números aos militantes. (carlos fonseca)

"Sou um bug ou dois na minha vida". (lena berardo)

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

O Estado paga-nos para não trabalharmos


Imagine-se uma escola profissional. Tem cursos que acabam e outros que começam. Os professores também se têm que mudar.
Imagine-se um professor que ficou sem trabalho nesta escola porque acabaram os cursos onde ele poderia leccionar.
Imagine que o professor vai para o desemprego.
Na pior das hipóteses ficaria 18 meses (acho que depende da idade do professor) a receber subsídio de desemprego e a frequentar alguns cursos de formação que o governo obriga a frequentar. Outra hipótese, e se o professor for um profissional consciente, procura os cursos que melhor se lhe adaptam e vai fazendo formação nas áreas que gosta ou lhe são mais úteis.
Depois dos 18 meses logo se verá.
Imagine-se agora que o professor não quer ir para o desemprego e consegue umas horas a dar formação num qualquer centro de emprego.
Vai ter que começar por pagar todos os meses à segurança social 160€, quer dê formação ou não.
A formação nunca tem um horário certo e depende também dos feriados.
Imagine-se que este mesmo professor após um ano a dar formação fica sem conseguir, sabe-se lá porquê, os motivos podem ser vários uma vez mais, horas para leccionar (este texto está com linguagem de professor).
E agora?
Agora já não pode ir para o desemprego, porque a formação é paga através de recibos verdes.
Até aqui não estou a dizer nada de novo, mas se pensarmos bem o professor não foi muito inteligente.

Afinal o Estado paga para não se trabalhar.
Se alguém opta por trabalhar é penalizado, mais cedo ou mais tarde...

Será que estou a pensar bem?

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

7 comentários:

Shadow One disse...

Esqueceste-te dos pagamentos de IRS.

Tambem já conheci essa realidade.

Por isso é que não perco uma unica oportunidade de ir votar. Adoro desenhar manguitos nos boletins de voto.

P*** que pariu essa gente toda. Revolution NOW!!

joaninha versus escaravelho disse...

Pois...
Esta história da carochinha chegou-me hoje por zuns zuns.
Essa parte sempre é uma percentagem, agora os 160€ fixos para a SS (portuguesa, não nazi)...
Pouco mais pago eu e nem posso dizer que ganho mal...

Shadow One disse...

O trabalhador por conta de outrem é tributado mediante o seu salário liquido.
O trabalhador independente, é tributado mediante o seu CAE (Codigo de Actividade Economica).

Para esse CAE, o estado presume, alvitra, calcula, pressupõe, acha, que determinada actividade profissional rende X.
Quer renda ou não, o trabalhador paga como se rendesse. Então para que serve a declaração de IRS?

Ou seja:
Para pagar, as contas estão feitas e são X€ por mês durante toda a tua existência contributiva. Independentemente do valor do "salário".
Para receber, esperas um ano até as finanças cruzarem a declaração de IRS com os pagamentos por conta efectuados. E eventualmente, devolvem-te o dinheiro. O processo repete-se no ano seguinte e por aí fora.

Isto, com choque tecnologico, e com os serviços totalmente informatizados!

Não é hilariante?

No tempo que trabalhei por conta propria eram 150€ por mês para a SS e 120€ de quatro em quatro meses para o IRS.
Junta-lhe gasoleo, portagens, refeiçoes e todas as despesas inerentes ao desenvolvimento da actividade profissional... Havia meses em que o que o meu lucro era ZERO. Desisti. Resignei-me e fui aturar chefes e directores e patrões e...

Alem de, trabalhador independente, não ter direito a subsidio de desemprego.

joaninha versus escaravelho disse...

Agora estás a dizer-me coisas que desconhecia. Também tenho recibos verdes, além de ser trabalhadora por conta de outrém. Na minha situação posso ou não fazer os descontos para o IRS (para a SS, no meu caso CGA) não faço porque tenho outro emprego. No entanto, quando passo recibos verdes desconto 20% o que realmente é um exagero. Esta lei deve ser muito ambígua... ou então cada cabeça cada sentença...
Não entendo.
Mas eu e o Estado estamos sempre em posições opostas...

joaninha versus escaravelho disse...

Aquels parênteses estão mal colocados :)

Fragoso disse...

:| realmente, mais vale ficar em casa

joaninha versus escaravelho disse...

A dormir... a dormir... :)