Não interessa aos libertários saber quantos são, pois nas suas hostes não se recrutam agentes do poder e muito menos se atribuem números aos militantes. (carlos fonseca)

"Sou um bug ou dois na minha vida". (lena berardo)

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Carta de Despedida à Dor

O dia está a chegar ao fim...
É quase meia noite e o amanhã não será muito diferente do hoje se não mudar a minha atitude perante o que me atormenta.
Quem me conhece sabe que não sou de desistir, mas quem me conhece também sabe que já fiz os possíveis e os impossíveis, direi mesmo o sobrehumano para tentar que a minha vida volte ao normal.
A questão que me é sempre colocada é: "Como aguentas?" a que eu costumo responder: "Sou muito boa a fazer de conta...".
Estou num ponto em que se não aceito pura e simplesmente o que a vida me tirou fico então num ponto sem retorno.
E como não sou de desistir, porque sou também muito teimosa, entro no paradoxo de desistir para não desistir de mim.

Assim quero aqui deixar escrito, para poder ler sempre que me estiver a esquecer desta resolução, que vou desistir.
Aos meus filhos quero dizer que desisto, que não vou fazer mais nada para alterar a situação que escolheram, tenha ela sido da sua vontade ou não, mas que estou aqui!

Lamento viver num país onde o nome e o dinheiro são tão importantes e tão influentes mesmo quando se trata de direitos humanos (descendentes do Afonso Henriques, o tal que batia na mãe... Nada como fazer jus ao nome!).
Lamento acima de tudo que o sentido de Liberdade com que eduquei os meus filhos não tenha sido entendido por eles e que não o consigam colocar em prática, seja por condicionantes psicológicas ou físicas, sei lá...
Quero dizer-lhes ainda que apesar da dor que me causa a situação os entendo, porque sei e conheço muito bem o meio em que decidiram estar. Não se esqueçam que a pessoa que melhor conhece esse meio sou eu.
Vivi-o e não consegui suportá-lo.
Sei que não é fácil sair daí.
Sei a forma como vos domam e eu só me consegui libertar porque entrei nele já adulta.
Claro que tudo o que vos dizem contraria o que eu digo.
Mas basta olhar com atenção à vossa volta para perceberem que aí ninguém é feliz.
Há ódio, rancor, inveja, mesquinhez, falta de carácter em todas as pessoas que vos rodeiam.
Senão pensem:
Que tipo de pai QUER que os filhos odeiem a mãe?

Ao causador de toda este sofrimento digo, porque sei que ele vem aqui de vez em quando, que a vida encarregar-se-à de lhe mostrar o resultado dos seus actos e assim como dou a outra face sempre que alguém me agride também sou crente no "cá se fazem, cá se pagam"...
Rancor e ódio não consigo sentir. Não sou perfeita, erro como os demais, mas estou cansada de andar, há mais de 11 anos, a ser violentada psiquicamente em nome dum Amor doentio.

Só desejo que se sintam bem para me deixarem em paz e me esqueçam.
Ouviste António Luís? Ou será Toninho?

Fico por aqui para não te dizer que realmente me deves amar muito ainda ao fim destes anos todos se continuas assim tão empenhado em me ver infeliz (olha, afinal já disse...).
Aproveito e pergunto em que lugar me sentas na tua mesa com a tua família e de que lado fico na cama?
Curiosidade...

Ponto final parágrafo, senão no dia 29 de Setembro lá ando eu a chorar outra vez e para nada!

4 comentários:

olinda silva disse...

Ó mãe...
Para ti um abraço muito forte.
Beijos dos meus...

joaninha versus escaravelho disse...

Obrigada, companheira de jornada!
Resto-mo com o sentir que fiz e dei o meu melhor...
Beijos

caramela disse...

Ufa...
infelizmente identifico-me com algumas partes, porque também já as vivi :(
Mas força, Joaninha, as atitudes ficam para quem as toma, não é?
Às vezes gostava de também saber dar, assim, como tu, uma chapada de luva branca.

Um beijinho

(29 de Setembro também é a data do meu aniversário... espero que seja uma data feliz também para ti!)

joaninha versus escaravelho disse...

A vida nem sempre é o que gostaríamos que fosse. Infelizmente...
As nossas atitudes também mudam perante as situações e aprendemos a lidar com isso ao longo da vida.
O dia 29 de Setembro será sempre, aconteça o que acontecer, um dos dias mais felizes da minha vida! :) É o dia de aniversário da minha filha.
Muito obrigada por estares aí.
Beijitos fofos!